Páginas

7 de janeiro de 2005

Esperanças e 2005

Já tentou manter a esperança por muito tempo? Continuar confiante na vitória mesmo com a derrota a vista? Não seria muito mais fácil escolher um atalho, ou então fugir?

Às vezes penso nisso. Me cobro bastante nesse ponto. E quem não quer dar o melhor de si? Apesar de a resposta óbvia ser a de que todos nós tentamos dar o melhor de nos mesmos, na prática a verdade está longe disso.

Quando conheci o termo zona de conforto, fiquei perplexo como uma combinação de palavras explica a maior parte das ações humanas. Zona de conforto é um termo utilizado para designar o conjunto de circunstâncias às quais nos acostumamos a enfrentar. Nesse caso nem é enfrentar e sim viver, pois não há muitos perigos na nossa zona de conforto.

A zona de conforto é melhor delineada se colocarmos em seus limites os nossos medos. Por exemplo, se eu colocar o meu medo de rejeição em pauta, minha zona de conforto em se tratando de relacionamentos me impede de partir para novas conquistas.

No dia-a-dia a maioria de nós se encontra em situações onde se deixa levar pela rotina e não escapa da sua zona de conforto. Por exemplo, no trânsito: a maior parte das pessoas segue as mesmas rotas para chegar aos lugares conhecidos. Mesmo que o caminho escolhido implique em trânsito, esse é o caminho seguro uma vez que eu nunca conheci as outras alternativas. Portanto esse caminho está dentro da minha zona de conforto.

Acredito que quando somos crianças, nossa zona de conforto não está bem delineada. Ainda estamos descobrindo as suas fronteiras. Conforme vamos crescendo e nos acostumando com as regalias da zona de conforto, cada vez menos tentamos explorar além de suas fronteiras.

Aprendemos que se formos bons meninos, nossos pais não irão nos castigar. E aprendemos também que algumas traquinagens não irão afetar drasticamente essa relação. Portanto somos bons meninos, mas aprontamos um pouquinho. Na maioria das vezes sem ultrapassar os limites.

Mas e quando o medo fica maior? E se ao invés de bons meninos nós nos tornemos pessoas reprimidas? O coração muitas vezes não está ciente da zona de conforto e nos coloca em situações delicadas. Porém se calamos nossos corações por muito tempo, o que acontece com eles?

Alguns permanecem calados. Não se abrem mais para novas paixões. E podem nos levar a uma vida amarga. Outros continuam tentando bater em nossos peitos. E ainda assim nos causam sofrimento. Aquela euforia a ver a pessoa amada é reprimida (acho que isso deve causar câncer.. rs) e uma bela paixão que poderia florescer entre um casal, acaba se tornando apenas uma paixão platônica, em que depois de um tempo a fantasia e ilusão se tornam maiores que a própria chama original da paixão.

Nesse começo de ano todos nós colocamos na cabeça alguma resolução, algo que achamos que deveríamos fazer para melhor as nossas vidas, mas que normalmente não temos coragem de realizar pois esse objetivo está quase sempre distante da nossa zona de conforto (oras, se estivesse dentro da zona de conforto faríamos imediatamente). Eu resolvi que este ano eu tentaria expandir as fronteiras da minha zona de conforto. Resolvi encarar alguns dos meus medos. Mas percebi que fiz essa resolução, pois agora me encontro na fronteira da minha zona de conforto. Vivo o meu medo, o medo de ficar só. E acho que é isso que tem me dado força para enfrentar essa situação. Ao invés de fugir estou tentando lutar para vencer. Parar para pensar nas conseqüências é deixar com que o medo tente me dominar. E embora pareça precipitado, as vezes é bom agente se entregar às nossas paixões, aos nossos sentimentos.

Será que é realmente possível mudar? Acho que essa é a questão que me resta. O que vai acontecer quando eu me estabelecer novamente no centro da minha zona de conforto? Será que ainda assim vou insistir para romper as suas fronteiras?

Ou nos perderemos entre monstros da nossa própria criação. Será que vamos conseguir vencer?

Que as mudanças não nos levem ao desespero e que 2005 seja um ano onde mudanças e melhorias caminhem juntas.

2 comentários:

Fabinha disse...

Nossa Fe claro que é possível mudar, claro que é possível transcender! Pense na teoria do caos. TUMDUM
Amigo, te amo (MI com todo respeito!) e desculpa meu sumiço aos poucos vou tomando conta de mim de novo..rs
Nada de novo pra me animar desse jeito, só o cansaço da zona de conforto q vc tanto falou aqui. Voltei pra casa (blog) o blogspot da muito trabalho pra colocar figura. Um super 2004 pra vcs! Te adoro!!!

Isma disse...

Zona de conforto!!! Gostei muito do termo, esclarece muita coisa. Gostei do seu texto, se escrever mais certamente voltarei mais vezes. Então me avise.

Isma