Páginas

21 de novembro de 2011

Um pouco de gentileza, por favor...

Final de ano chegando! Já podemos ver alguns enfeites de Natal nas ruas. Ainda é Novembro e a Av. Paulista já está parcialmente decorada. Em alguns lares, as luzinhas de Natal já foram penduradas nas varandas. Mas uma coisa que eu sempre gostei dessa época do ano é do chamado espírito natalino. Ok, talvez para alguns esse espírito se traduza em "compras natalinas". Mas não é assim pra mim.



Nos últimos anos os dias tem parecido mais curtos. A minha noção de tempo está um pouco distorcida, e acho que é por ter tantas coisas que eu quero fazer. E assim, o ano passa... Nas festas de final de ano eu sempre consigo um tempo para refletir. Para pensar nas coisas boas que eu consegui no ano, para até sentir um pouco de nostalgia. Lembrar das crianças e da alegria delas ao receber presentes. Recordar de quando eu ainda acreditava em alguma mágia no Natal. Confraternizar com os amigos, comemorar! Acho que isso é uma forma de descrever o que é para mim o espírito natalino.

Estava andando de taxi um dia desses, e me pus à observar o motorista do taxi dirigindo com pressa, de forma agressiva. Tentando ganhar qualquer minuto possível no trânsito caótico de São Paulo, mesmo que isso custe uma viagem estressante para o passageiro. Fechando outros motoristas, buzinando, acelerando forte. E eu acho que, de certa forma, vi nessa cena a vida que muitos levam. No dia-a-dia, fazendo as tarefas sem gosto por elas, simplesmente para acabar o mais rápido possível. Pensei: "para mim, isso não é vida".  Você pode ter que agir assim em algumas ocasiões da vida, mas não pode sempre.

A cena do taxista me lembrou imediatamente de um desenho do Pateta que eu acho fantástico! Assisti quando criança mas me lembro até hoje, aquele em que ele se transforma - tipo o médico e o monstro - ao dirigir um automóvel. Para quem não sabe do que eu to falando, fica a dica:


Ao fechar um carro no trânsito, ao buzinar, ao ser agressivo, você acaba provocando o comportamento agressivo em outras pessoas. Ao passar pelo seu vizinho no corredor do prédio e não lhe oferecer um sorriso e um cumprimento cortês, você está provocando a indiferença. É simples assim: a vida nos oferece de volta o que nós trazemos para ela. Ou como os Beatles cantaram:
 "And in the end, the love you get is equal to the love you give."

Por isso, fica aqui o meu pedido sincero para a vida, para vocês que lêem os meus textos, para mim mesmo: um pouco de gentileza, por favor. Você não sabe ou pode não entender o que se passa na cabeça das pessoas que estão ao seu redor, mas saiba que um sorriso sincero e palavras amigas costumam ajudar. Ser gentil não é muito difícil, basta tentar e você já estará fazendo o seu melhor!

4 comentários:

Anônimo disse...

Gostei, a sugestão é valida ....

Anônimo disse...

O natal é uma época que fazemos um balanço de tudo que deixamos pendente naquele ano. Ações não resolvidas, respostas não conseguidas, pessoas e traços da vida que vamos deixando para traz retornam ao pensamento nesta época.

Mas me dê um conselho. O que deve-se fazer nestes casos? Tentar resolver as pendências, ou tentar negar sua existência?

Paulo Felipe disse...

Quem sou eu para aconselhar alguém? Mas eu gostaria de resolver as minhas pendências... Negar a existência não faz o problema desaparecer, infelizmente.

Anônimo disse...

Porque tanto tempo sem postar? Estou sentindo falta.